Um valuation, ainda que feito de forma 100% eficaz, ainda pode levar o investidor a perder excelentes oportunidades?

  • . . .
Respondido

Tome como exemplo o caso da Ambev (no período de 2000 até 2018). Ao longo desse período suponho que muitos valuations apontaram que o preço da ação estava alto demais, todavia quem ignorou essa métrica e focou em outros fundamentos para continuar comprando não deve ter se arrependido. Nesse caso, o investidor que fez pequenas compras mensais pode ser considerado imprudente por não ter considerado o valuation?

Investidor Perguntado em em 1 de março de 2018
Ações.
Adicionar Comentário
4 Resposta(s)
  • . . .

Melhor resposta

O valuation não te dá uma certeza absoluta, pois ele depende de pressupostos que são pessoais e podem estar errados. Mesmo assim, ele é uma das, senão a melhor, ferramenta para avaliar o preço justo de uma empresa.

O que ocorre no seu exemplo é que o risco implícito a estas compras é ignorado, pois não havia uma boa margem de segurança. Em outras palavras, tanto poderia ter dado certo quanto poderia ter dado errado, pois não há um pressuposto para a tomada de decisão, a não ser o fato da empresa ser “boa”.

Comprar boas empresas, segundo as definições que o Tiago sempre usa, geralmente não são um mau negócio, mas há chance de pagar caro e ter pouco retorno ao longo do tempo. O ideal é avaliar o negócio, o setor e usar o valuation como termômetro para definição de preço.

Investidor Respondido em 1 de março de 2018.
Adicionar Comentário
  • . . .

O valuation é sempre função das premissas certas.

Quem fez valuation de Ambev acreditando que ela iria expandir margens do jeito que expandiu, acertou e ganhou muito dinheiro.

O erro não esta no processo de valuation, está nas premissas que você colocar no seu modelo.

O valuation é apenas uma planilha que é refém das suas métricas.

No caso especifico de Ambev precisava ser visionário para acreditar que a empresa iria entregar o que entregou.

A empresa que chegou a ter margem EBITDA de 20% passou para a casa dos 50%. Quando ela tinha 30% de margem já era a empresa mais eficiente no mundo. Não era fácil imaginar que chegaria nos 50%.

O desafio é ser visionário nas premissas. O problema não esta na planilha, esta no que você coloca planilha.

Faixa Preta Respondido em 1 de março de 2018.
Adicionar Comentário
  • . . .

Uma pequena história:

Quando comecei a trabalhar com vendas uma pessoa me falou assim, pegue um produto estude todos os custos envolvidos pra produzir, armazenar, distribuir e comercializar. Tendo todos essas preços, projete o quanto de balor espera pro futuro desse produto, depois desenvolva uma narrativa que voce acredite diante dos fatos que levantou, se ainda assim acreditar nessa história então compra e revenda.
Se colocar preço errado não vai vender e se não perceber valores também não.

Investidor Respondido em 1 de março de 2018.
Adicionar Comentário
  • . . .

Seguir tudo a ferro e fogo é difícil. você pegou o caso de Ambev que pode não ter dado certo com as premissas que você colocou, agora pegue um caso que deu certo e veja se não vai agradecer por ter seguido o valuation que fez.

Eu já quis vender um ativo duas vezes por achar que não tinha mais espaço pra subir e este me surpreendeu trazendo dois trimestres excelentes com lucros acima de 40% no total. É um caso que minhas premissas mostravam a hora de sair mais o mercado mostrou que eu estava errado., Por sorte não sai.

Experiente Respondido em 2 de março de 2018.
Adicionar Comentário
  • Perguntas relacionadas

  • Disclaimer

    As respostas são de responsabilidade exclusiva de seus autores e não representam a opinião da Suno Research. Caso encontre algo que viole os nossos termos de uso, denuncie.

  • Sua resposta