Tomada de decisão com base no investimento inicial ou preço atual do papel?

  • . . .

Pessoal, no livro do Décio Bazin, ele diz que “Se um papel não está qualificado para compra, nem sempre sua venda é recomendada”.

Exemplo;

Momento 1: Você compra um papel por $ 100 que paga $ 6 de dividendo (considerando que seu critério seja de no mínimo 6% a.a.)

Momento 2: O papel se valoriza 50%, valendo então $ 150, mas continua pagando $ 6 de dividendo. Neste caso o DY atual é de 4%, abaixo do seu critério para a compra do papel, mas o DY considerando o investimento inicial ainda é de 6%.

Décio Bazin diz que nesta situação não é recomendável vender o papel, pois o capital inicial ainda está sendo remunerado a 6%.

Minha dúvida é: Não seria melhor vender este ativo, com lucro de 50% (aproximadamente 8 anos de dividendos), e aplicar os $ 150 em outro ativo que esteja remunerando pelo menos 6%?

Entendo que se formos pensar na “filosofia Barsi” de investidor parceiro o papel não seria vendido, mas no livro do Bazin ele chega a vender o papel quando o DY sobre o capital investido cai abaixo de 6%, ou seja, no meu entendimento ele não segue esta filosofia tão a fundo sobre investidor parceiro. Mas por que então não aproveitar a valorização para investir em outro ativo mais atrativo?

Abs!

Aprendiz Perguntado em em 9 de fevereiro de 2018
Estratégias.
Adicionar Comentário
3 Resposta(s)
  • . . .

Bem amigo.

Eu enxergo com  vc nessa situação eu também venderia, colocaria o lucro no bolso e a sim procuraria outra oportunidade com DY melhor.

Aprendiz Respondido em 10 de fevereiro de 2018.
Adicionar Comentário
  • . . .

No livro de Décio Bazin, isso acontecia quando uma ação valorizava mais que os seus dividendos cresciam, por exemplo uma ação custa 100 e paga 6 (6%), em um outro momento ela custa 150 mas paga 7,5 (5%), nesse caso o que aconteceu é que sua cotação subiu mais que os seus dividendos cresceram, mas se você comparar ela está pagando 7,5% sobre o preço de compra, o que segundo os critérios do Décio não estaria apta a venda por pagar um dividendo acima de 6% mas não estaria apta a compra por ter um DY abaixo de 6% ao preço atual.

Eu tenho a mesma opinião que Bazin, neste caso eu não compraria mais ações mas não venderia as que já comprei. Se uma empresa está crescendo me remunerando melhor pelo preço que comprei não faz sentido vende-la. Você disse vender para comprar uma oportunidade melhor, mas é perigoso assumir que outra ação é melhor só porque está pagando um DY maior sobre a sua cotação.

Por exemplo:

1 comprou a ação  X por 100 e ela pagava 6 de dividendo.

2 vendeu a ação X por 150 que estava pagando 7,5 de dividendo e comprou ação Y por 150 que pagava 9 (6%).

3 ação Y está custando 160 e pagando 9,6, neste momento a ação X custa 180 e paga 8,6 de dividendos.

4 ação Y está custando 166 e pagando 10, neste momento a ação X custa 250 e paga 10 de dividendos.

O que quero dizer é que não é porque uma ação está com um DY maior que seja uma melhor escolha de investimentos.

Outra questão é por que a ação saiu de 100 para 150? Por que o mercado está pagando mais por ela hoje? “Geralmente” é porque ela apresentou resultados melhores fazendo o mercado ajustar o preço dela para o seu novo resultado.

Enfim, eu só venderia uma ação quando ela perde-se seus fundamentos.

Aprendiz Respondido em 10 de fevereiro de 2018.
Adicionar Comentário
  • . . .

A interpretação das estratégias faz parte da estratégia kkkk. Eu concordo Com Bazin e com o Samuel. Tudo vai depender da sua interpretação, por exemplo:

Quando você compra uma ação por 100 e ela paga 6 de dividendos, você tem 6% ai ela sobe pra 150 e continua pagando os mesmo 6, aqui acontece duas situações, se você considerar o novo preço, ela estará pagando 4% de yeld mas se considerar o valor de compra, estará pagando 7,5%. Ao considerar o preço atual ela fica abaixo do critério de 6% mas mesmo assim não venderia. Se considerar o valor de compra ela estará pagando mais que 6% mas você terá que fazer a correção da inflação, pois está utilizando o preço de alguns anos atrás mas há o custo de oportunidade, ou seja, o valor que renderia se estivesse aplicado ao menos na inflação.

Uma ação só sobe de preço se os fundamentos melhorarem e aumentar seu valor. Quando isso acontece, fatalmente os dividendos vão subir uma hora também. Se não subirem então o caixa da empresa vai aumentando, ou os investimentos nela ou alguma coisa, o que não pode acontecer é a empresa captar mais, aumentar de valor e este dinheiro sumir.

Considerando apenas Yeld maior de uma empresa você pode incorrer no erro clássico de ter uma ação em decadência que aumenta suas dívidas em prol de pagar bons dividendos. Lembre que a Apple não pagava dividendos, crescia mais de 30% ao ano e agora com 900 milhões em caixa ela paga bons dividendos e pode aumentar o pagamento.

Vender para comprar outra ação você tem que considerar todos os impostos que pagará na venda e a outra ação tem que valer a pena mesmo. O perigo é ficar girando patrimônio apenas pra ficar correndo atrás de yeld melhor.

Experiente Respondido em 3 de março de 2018.
Adicionar Comentário

Sua resposta