É necessário CNPI para fazer análisa de fundos de investimento?

  • . . .
    Adicionar Comentário
    1 Resposta(s)
    • . . .

      Olá!

      Se você pretende atuar na gestão, a certificação mais adequada é a CGA. Caso queira assessorar, pode optar pela CEA.

      Mas se seu objetivo é analisar e recomendar, é preciso da CNPI.  Aliás, se envolve valor mobiliário e recomendação, é preciso CNPI.

       

      Caso tenha dúvidas do que vem a ser “valores mobiliários”, temos:

      “Art. 2º [lei 6385/76] São valores mobiliários sujeitos ao regime desta Lei:

      I – as ações, debêntures e bônus de subscrição;

      II – os cupons, direitos, recibos de subscrição e certificados de desdobramento relativos aos valores mobiliários referidos no inciso II;

      III – os certificados de depósito de valores mobiliários;

      IV – as cédulas de debêntures;

      V – as cotas de fundos de investimento em valores mobiliários ou de clubes de investimento em quaisquer ativos;

      VI – as notas comerciais;

      VII – os contratos futuros, de opções e outros derivativos, cujos ativos subjacentes sejam valores mobiliários;

      VIII – outros contratos derivativos, independentemente dos ativos subjacentes; e

      IX – quando ofertados publicamente, quaisquer outros títulos ou contratos de investimento coletivo, que gerem direito de participação, de parceria ou de remuneração, inclusive resultante de prestação de serviços, cujos rendimentos advêm do esforço do empreendedor ou de terceiros.“

      § 1o Excluem-se do regime desta Lei:

      I – os títulos da dívida pública federal, estadual ou municipal;

      II – os títulos cambiais de responsabilidade de instituição financeira, exceto as debêntures.

      Com isso, são valores mobiliários: (i) todos os listados nos incisos I ao VIII do artigo 2º da Lei 6385/76; (ii) quaisquer outros criados por lei ou regulamentação específica, como os certificados de recebíveis imobiliários – CRI’s, os certificados de investimentos audiovisuais e as cotas de fundos de investimento imobiliário – FII, entre outros; e (iii) quaisquer outros que se enquadrem no inciso IX da Lei, conforme citado acima.

       

      Investidor Respondido em 28 de agosto de 2019.
      Adicionar Comentário

      Sua resposta