Comprar cotas de 2 grandes FIis, que oferecem bom dividendos, vale a pena?

  • . . .
Respondido

Gostaria de entender melhor se investindo em Fiis que geram bons dividendos , mas custam mais caro, é mais vantajoso a curto e médio prazo?

Aprendiz Perguntado em em 5 de março de 2018
Fundos Imobiliários.
Adicionar Comentário
2 Resposta(s)
  • . . .

Melhor resposta

Terciomr,

São 2 pontos a se observar.

  1. FIIs geram bons dividendos são sempre interessantes (curto, médio e longo prazo)
  2. Pagar “caro” significa menos margem de segurança.

A questão que vejo é que “pensar” em apenas 2 FIIs numa carteira para longo prazo pode fazer com que sua diversificação fique comprometida.

Penso que deve buscar mais opções.

E por fim, uma reflexão: O que te leva a crer que este FII esteja caro?

 

Faixa Preta Respondido em 5 de março de 2018.

Só para exemplificar…

Um fundo como CSHG, não possuo mtos recursos para comprar muitas cotas, porém, é um fundo que demonstra ter bons fundamentos, etc…  para mim é caro mas o valor de Dy por cota é bom, assim se eu sempre investir nele, acompanhando seu desenvolvimento, seus relatórios e tudo mais….no futuro posso ter um retorno melhor e mais seguro, de melhor forma, do que comprar cotas de fundos mais baratos mas que oferecem um pequeno retorno?

em 5 de março de 2018.
Adicionar Comentário
  • . . .

O investidor não deve considerar o valor nominal do preço do ativo em sua decisão de investimento.

Se a cota custa R$10,00 ou R$1.000,00 não importa. O que importa são os ativos que existem por trás deste valor.

As vezes um fundo mais caro pode ser melhor do que um FII mais barato. Acho que o melhor exemplo disso é SHPH11, um fundo que vale cerca de mil reais por cota, e que sempre foi um excelente investimento.

Isso contrasta com o o XTED11 que vale na casa dos R$20,00 e que foi um péssimo investimento ao longo do tempo.

Portanto, desconsidere o valor nominal. Estude o FII, veja seus ativos e seu valuation (dividend yield, preço por metro quadrado, etc.).

Faixa Preta Respondido em 5 de março de 2018.
Adicionar Comentário

Sua resposta